Por estes dias ando a queimar os últimos cartuchos de COBOL!

Ao contrário do que muita gente por aí diz, o COBOL está aí para ficar,
pura e simplesmente meus amigos, porque é bom naquilo que faz! E quando se
tem uma ferramenta que é boa para o que foi projectada, não vamos
propriamente reinventar a roda né? Não me parece que o sistema Multibanco,
transaccional, rápido e eficiente pudesse ser desenvolvido em JAVA? Embora
haja quem tente! 😉 Faz-me sempre recordar aquela história de quando a
Microsoft adquiriu o Hotmail e teve a brilhante ideia de converter aquilo
para o seu sistema operativo logo no primeiro dia! Resultado, Hotmail fora
de serviço durante algumas horas, se não foram dias sem serviço normal,
já nem me recordo, sei que ao final de uma série de dias aquilo voltou ao
SO anterior. Foi lindo!

Enfim, mas por muito que tenha gostado do COBOL e ter achado que aquilo não
é tão mau como se pinta, a verdade é que fico feliz por não ter que
programar em COBOL, na verdade fico bem mais contente não pela linguagem,
mas por ir trabalhar numa área em que posso dar espaço à minha
criatividade e não correr o risco de estagnar num só sistema! Voltar a
estudar e voltar a aprender? E nada melhor do que trabalhar na net para ter
isso tudo ao alcance de um clikar!

Entretanto manda a lei que dê 30 dias (se fosse empregado à mais de 2
anos, seriam 60 dias!??!?) à empresa antes de poder abandoná-la de livre
vontade, o que para mim é mais uma daquelas leis parvas, porque senão
vejamos:

– São 30 dias de pouco trabalho, ou trabalho menos motivado, o
tipo diz que se quer ir embora, vai, não fica a moer nem a fingir que
trabalha, certo?

– São 30 dias durante os quais, os colegas são obrigados a
explicar/trabalhar com alguém que não vai ficar “até ao lavar dos cestos”
como se costuma dizer!

– São 30 dias de bocas: “Então vieste?”, “Ainda cá estás?”, “Achas que
vale a pena?”, “Como é que consegues estar tão empenhado?”

– São 30 dias em que se podia estar a adaptar ao novo meio para onde quer
ir!

– São 30 dias em que a empresa paga o salário idêntico ao dos restantes
meses para menos produtividade (esta é a parte fixe!)

– São 30 dias em que a ansiedade acumulada pode desencadear um qualquer
problema cardíaco ou outro qualquer relacionado com stress (chiça!)

– São 30 dias em que um tipo se arrisca a perder os dedos no trabalho (caso
de a empresa ser vingativa! À la Máfia: (com os dedos entalados na porta)
“Não programas para nós, não programas para mais ninguém! OHOHOH!

– São 30 dias para sermos linchados pelos colegas que “coitados” por lá
vão ficar quando bater a porta no ultimo dia! (Quando pensava que tinham
acabado, puxaram-me de novo para dentro!)

– São outras 30 razões que podia aqui escrever, mas vou resumir a estas!
(se tiverem ideias comentem! 😉

No meu caso, ficou decidido que não começava mais nada, somente iria
acabar o que tinha em mãos e que para mim é mais do que suficiente, porque
a minha cabeça não está já propriamente a cobolizar mas em modperl! 😉