Este post bate os recordes de atrasos, é sobre uma sessão a que fui sem contar à Almedina ouvir o que elas tinham a dizer sobre os seus blogues!

Blog\'s no FemininoBlog\'s no FemininoBlog\'s no Feminino

A sessão intitulada exactamente “Blogues no Feminino” faz parte de um ciclo de três “conversas” organizadas por José Carlos Abrantes com o apoio da Livraria Almedina, intituladas “Falar de Blogues“. A acompanhar o organizador estavam 4 ilustres semi-desconhecidas para mim (semi, porque já tinha lido ocasionalmente alguns dos seus posts, mas não faziam parte da minha lista diária de posts:

Embora sem esperar o me acabou por levar a esta sessão foi o mote da mesma:

Sobre que assuntos falam as mulheres na blogosfera? Que motiva as autoras dos blogues? Que dados têm sobre quem as lê? Haverá especificidades da intervenção das mulheres na blogosfera?

Se a motivação inicial passou por ouvir um pouco o que mulheres (utilizadoras de blogues teriam para dizer, confesso que a conversa foi bastante mais interessante, mais do que inicialmente esperaria, mas por minha culpa porque se lesse assiduamente os blogues de cada uma das presentes, podia ter adivinhado que seria certamente interessante ouvi-las, mea culpa portanto aqui.

Isabel Ventura começou por apresentar os resultados de um estudo sobre os hábitos de escrita das mulheres e suas diferenças comparativamente com blogues masculinos, interessantes alguns dos dados a que o estudo chegou, em particular as diferenças de temas abordados na escrita de homens e mulheres. A sua apresentação continuo pela análise de 5 blogues sobre temas comuns:
discriminação sexual, questões relacionadas com o aborto e crítica aos media, o que também foi bastante interessante de ver, embora na minha opinião (e posso estar a ser tendencioso) as questões de discriminação sexual estivessem um pouco mais em destaque do que será a realidade, penso que o conjunto de blogueiras que serviu de base ao estudo poderá ter influenciado este aspecto ou mesmo o conhecimento da autora sobre esta matéria, mas lá está pode mesmo ser algo que as preocupa muito. Alguns dos aspectos mais notórios nos blogues “delas” foram o grande suporte documental, o tom da escrita, ora muito pessoal ora informal quase distante, a variedade de temas e a propensão para a escrita sobre o rotineiro dia-a-dia de cada uma das suas autoras. De salientar ainda o forte papel interventivo das mulheres que blogam, desconhecia que tivesse tamanho impacto embora em verdade tenha notado isso em alguns dos blogues femininos que leio.

Seguiu-se Isabel Ferreira autora do Miss Pearls, bibliotecária, membro fundadora da Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados, divertidíssima e “louca” no melhor sentido da palavra. Gostei tanto de a ouvir que me esquecia de tomar as respectivas notas, mas recordo-me de a ouvir falar do aspecto terapêutico da escrita do seu blog. Divertidas também foram as questões ‘técnicas’ que ela admira noutros blogues e considera quase impossíveis de fazer, ou melhor ‘difíceis’ de aprender a fazer no seu blog.

Ainda não refeitos das gargalhadas foi a vez de Carla Quevedo, autora do Bomba Inteligente e jornalista do Expresso (coluna no Expresso com o idêntico nome do blogue). No blogue retrata o seu quotidiano jornalistico, mas confesso que fiquei um pouco desiludido com a sua intervenção, talvez por ser a menos espontânea, a Carla resolveu ler um texto escrito antes da sessão, que achei interessante, mas faltou-lhe o calor do momento, teria valido a pena certamente ouvi-la falar sem preparação sobre as suas motivações bloguistas.

A terceira bloguista presente e a que veio de mais longe era Patrícia Antoniete co-autora do Megeras Magérrimas, brasileira, advogada e a mais “profissional” de todas as autoras presentes. O seu blog começou por ser um relato de duas amigas na cruzadas das dietas, mas em pouco tempo o blog evoluiu para algo muito mais abrangente. De referir o aspecto de ser a única das presentes que assumiu a sua identidade desde o primeiro momento, as anteriores autoras embora dando hoje cara pelo manifesto, inicialmente optaram pelo anonimato como forma de resguardarem a sua intimidade. A sua intervenção teve momento hilariantes, um dos quais em que ela comentava o número de acessos ao blog e se auto-intitulou a Paula Coelha da blogosfera, marcando o inicio da profissionalização daquele blogue.

Gostei bastante, e recomendo a leitura destes três blogues. É minha opinião há já algum tempo que as mulheres vieram dar um pouco de cor (não só às nossas vidas) mas também à Internet, nomeadamente aos blogues, como se demonstra pelos diferentes temas que trouxeram à blogosfera.

Nota: Tive a ideia de pedir à organização autorização para gravar o audio, pelo que com as devidas autorizações pode ser que seja possível a criação de um podcast deste evento, para quem por lá não esteve.

UPDATE: A gravação da sessão já está disponível.