Foi uma estreia, nunca tinha ido a nenhuma, mas alguma vez teria que ser a primeira, confesso que não tinha à partida qualquer tipo de ideia pré-concebida sobre as ditas, mas há uns dias atrás chegou-me por email uma ordem de trabalhos e no meio apanhei algo do género:

Proposta n.º 27/2007 – GAP – Assinatura de Protocolo com a Empresa Modelo Continente Hipermercados, S.A., para a construção de uma zona de exercício físico para seniores e um parque de recreio infantil, no Parque de Vanicelos, Freguesia de São Julião.

Ora eu não tenho nada contra os velhinhos, e muito menos claro os mais novos, pelo menos não com todos e muito menos quando correm juntos 😉

mas fiquei meio perplexo pela referida localização, é que a referida empresa prepara-se para a abrir a sua primeira unidade comercial Modelo, no bairro, ou apêndice de bairro Monte Belo Norte (a denominação é pessoal, mas ao fim de 5 anos foi a melhor que arranjei) e para minha surpresa os beneficiados com infra-estruturas de lazer estão nada mais nada menos do outro lado da cidade, onde curiosamente para além de já existir um parque, o mesmo já possui um parque infantil!

Não me fiquei, desafiei a Patrícia e disse é desta que me passo e lá fomos nós ontem à dita reunião pública da Câmara de Setúbal.

Fomos lá, no final pedi para palavra, fui breve, tentei não insultar ninguém, nem ferir susceptibilidades, a última coisa que eu quero é os velhinhos maratonistas atrás de mim! Mas que me perdoem os mesmos, quando o bairro em questão, que vai arcar directamente com a referida unidade comercial não tem qualquer espaço de lazer, ou sequer de um acesso pedonal (acesso pedonal ponto, não estou a dizer que existe e tem má qualidade, não tem, ponto!) que respeite regras mínimas de acessibilidade / segurança.

Não sendo Pai, só posso dizer que me choca ver a aparente ‘normalidade’ da escolha por ‘refazer’ um jardim infantil numa outra qualquer zona da cidade (sim para o efeito, nem comentei que o referido jardim, se insere na zona mais favorecida e mais recheada de infra-estruturas da cidade, e falo com conhecimento porque lá vivi a maior parte da minha vida!), tudo isto me parece-me um bocado de falta de senso, mas posso ser só eu…

Em resposta, trouxe para casa, na voz da Srª Presidente que a referida infra-estrutura tinha sido como que uma ‘imposição’ em termos de volume e que aquele parque seria o único com capacidade para o acolher. Até compreendo e nesta fase do processo não há muito mais a dizer, o mesmo não posso dizer da desculpa da “imposição”, afinal que manda nestas bandas? Enfim.. deixem lá os velhinhos a correr e tragam os baloiços para cá 😉

Sobre a reunião propriamente dita, tenho alguns comentários:

  • Gastam demasiado papel, uns computadores ajudavam!
  • Não primam pela boa educação e respeito mutuo e não estou a falar da parte do público infelizmente;
  • Demoram muiiiiiitooooo tempo mesmo, mas claro seria de prever com uma ordem de trabalhos de 76 propostas mais coisa menos coisa… começou às 18h e cheguei a casa eram 11 e qualquer coisa, eu percebo que o público tenha que falar todo no final, mas n sei se não seria interessante ter uma forma de consulta pública das referidas propostas e a possibilidade de enviar comentários/protestos antes mesmo da votação, senão vejamos, eu pude falar sobre algo que já tinha sido aprovado quase 2h antes..
  • Aparece por lá um pouco de tudo… mas gostei particularmente do último sr. do público que falou… não tenho visto os ‘Gatos’ ultimamente, mas acho que deviam falar urgentemente com o respectivo! É que… foram uns bons 15 minutos de… um discurso interessantemente excepcional… não necessariamente no bom sentido, foi bom para refrescar ideias sobre futebol, maçonaria, judiciaria e teorias da conspiração! E no final do dito, ainda ia acabando numa sessão de pugilismo entre o referido sr. e um dos vereadores presentes… muito bom! 🙂